Pular para o conteúdo

Reveillon em Mendoza

14/01/2013

Estávamos na dúvida do que íamos fazer na virada do ano aqui em Mendoza, aí surgiu a sugestão do atendente do hotel de reservar um jantar no Restaurante Décimo. Eu já tinha lido na internet sobre ele e fiquei interessado.
O Décimo fica na cobertura de um edifício antigo e tem uma das melhores vistas da cidade. De lá você enxerga a cidade, toda cercada ao fundo pela linda Cordilheira dos Andes.

Linda vista da Cordilheira!

Linda vista da Cordilheira!

O restaurante ofereceu um menu fechado com couvert, empanadas, entrada, prato principal e sobremesa. Ofereciam também vinho branco, tinto, espumante e água à vontade. Reservamos e lá fomos nós!

Ao chegar, aproveitamos que eram 21 horas e ainda havia luz do dia e tiramos algumas fotos com a Cordilheira ao fundo. Enquanto eu me sentei a mesa e pedi ao garçom uma garrafa de Chardonay, a Cibele foi tirar algumas fotos e acabou puxando papo com um casal de Floripa muito simpático. Pedi ao garçom que juntasse as mesas, mas ele disse que não poderia. Depois, incomodado com o fato de estarmos de pé conversando com o Nei e a Elayne, juntaram nossas mesas.

Novos amigos em Mendoza!

Novos amigos em Mendoza!

A noite foi muito agradável, tomamos bastante vinho e um pouco de espumante. A comida foi decepcionante, não vale nem um comentário mais detalhado. Mas com certeza a noite valeu a pena pela boa companhia e a linda vista da cidade.

Péssimo prato!

Péssimo prato!

Começamos bem 2013!

Caminhando por Mendoza – 31/12/12

14/01/2013

Hoje caminhamos pela cidade. Primeiramente passamos pela Plaza Independencia que é a principal da cidade, mas não tem nada de mais. Depois encaramos uma longa caminhada pela Calle Sarmiento, onde passamos pelo Almacén Azafrán. Tínhamos a ideia de almoçar por lá , mas apesar do lugar ser lindo achamos o cardápio caro e sem opções tentadoras. Tiramos algumas fotos e prosseguimos.

Linda fachada do Banco Hipotecario Nacional!

Linda fachada do Banco Hipotecario Nacional!

Uma das avenidas que leva ao Parque General San Martin é a Emilio Civit, e como o Damián havia nos dito que era a menos perigosa, fomos por ela. É a avenida mais cara da cidade, com mansões e lindos apartamentos. Uma coisa que impressiona na cidade é a grande quantidade de árvores, já que Mendoza fica no deserto. Isso é possível graças a um sistema de irrigação feita por canais que levam a água proveniente do degelo à todas as árvores da cidade. E não são poucas, cerca de uma a cada 3 metros, em TODAS as ruas.

Sistema de irrigação!

Sistema de irrigação!

Chegamos ao parque e escolhemos uma lanchonete para tomar uma água e descansar um pouco. O parque é gigante, para se ter uma ideia ,!no mapa a área do parque corresponde ao mesmo tamanho do resto da cidade. Por esse motivo não fomos a fundo no parque. Usamos o mapa para andar por dentro do parque mas sempre em direção ao nosso próximo destino que era a Calle Aristides Villanueva.

Parque San Martin!

Parque San Martin!

Essa rua é cheia de bares, restaurantes, lojas e hostels. Escolhemos o El Palenque para almoçar, novamente seguindo a dica do Damián. Empanadas sensacionais, ambiente agradável e bem decorado e as melhores batatas fritas que já comi.

Empanadas!

Empanadas!

A conta, incluindo 4 empanadas, couvert, batatas e uma cerveja de 1 litro saiu 90 pesos ou exatos 30 reais.
Fizemos o caminho de volta com a barriga cheia e não encaramos o helado italiano que nos foi indicado, Quem sabe outro dia.

Ótimas batatas!

Ótimas batatas!

Agora vamos descansar pois a noite iremos à uma festa em um restaurante situado na cobertura de um prédio com vista para a Cordilheira dos Andes!
Abraço a todos!

Jantar no 1884 – 30/12/12

14/01/2013

Eu havia dito que achamos a cidade muito suja. Pois bem, ontem o Damián nos buscou para levar ao jantar no 1884 e se ofereceu para um tour pela cidade antes, sem cobrar nada a mais. Descobrimos então que a cidade só é feia e suja nos quarteirões que havíamos andado e que no resto ela é linda e limpa.
Chegando ao 1884, ainda havia sol às 21:00.

Entrada 1884!

Entrada 1884!

Escolhemos nossa mesa no jardim, e desfrutamos de um maravilhoso jantar. De entrada chicórias tostadas com parmesão e portobellos para mim e carpaccio de mignon com rúcula e parmesão para a Cibele. As duas entradas estavam excelentes, com destaque pra chicória que se destacou até sobre os portobellos.

Chicórias e portobellos!

Chicórias e portobellos!

Carpaccio!

Carpaccio!

De principal, cabrito braseado com batatas para mim. Ótima carne, vieram dois cortes: costelas e lombo. Eu, que amo carnes, quase não dei conta da enorme quantidade que veio.

Chivito braseado!

Chivito braseado!

A Cibele escolheu o ravioli de zapallo com mascarpone sem saber que zapallo é abóbora. Ela adora abóbora então foi uma ótima surpresa. Eu, que não gosto muito de abóbora, achei sensacional o ravioli. Sem dúvidas um dos melhores pratos que já provei.

Ravioli!

Ravioli!

Os pratos são muito bem servidos, por isso não encaramos as sobremesas.
Um Malbec mediano acompanhou nossa refeição!
O 1884 vale a visita!

Primeiro dia – Mendoza – 30/12/12

14/01/2013

Tudo muito fácil no início, check in super rápido em Guarulhos, ótimo atendimento na sala vip da Diners e vôo com destino a Córdoba saindo no horário.
Chegamos a Córdoba as 3:10 e pegaríamos o vôo pra Mendoza as 9:35. Aeroporto vazio, tentamos dormir um pouco, mas as cadeiras são muito desconfortáveis. O wifi é pago, mas a garota do guichê de atendimento foi muito simpática e nos passou a senha da rede vip.
No check in do vôo para Mendoza, primeira surpresa: voamos de Sao Paulo pra cá com bagagens de 23 kg e a Aerolineas só permite 15kg em vôos domésticos. Teríamos que pagar 8 kg de excesso, mas a sorte está do nosso lado e a hermana do check in nos livrou dessa, muito simpática!

Já na sala de embarque, aguardando o nosso voo, resolvemos tomar um café da manhã. Foi então que nos deparamos com os preços inflacionados por aqui, 2 cafés e 2 medialunas saíram por $46 pesos, cera de 20 reais. Detalhe, só tínhamos 9 dólares e 2 euros e a chica do café acabou aceitando só os 9 dólares e deu desconto de 3 pesos. O vôo atrasou cerca de 1 hora, mas foi super rápido e chegamos a Mendoza antes do meio dia. Trocamos um pouco de dinheiro no aeroporto. 1 real por 2,33 pesos. Pagamos 45 pesos por uma corrida de táxi de 10 minutos até o hotel. No caminho puxei papo com o motorista que era muito simpático, ele me disse que era melhor trocar dinheiro no mercado paralelo mas teria que tomar cuidado com as notas falsas.
Complicado né? Pois ele se ofereceu para trocar com um amigo dele, e de quebra comprovaria que não eram notas falsas. Trocamos 1000 reais com a cotação de 1 real por 3 pesos, grande diferença né? Grande cara esse Damián, virou nosso motorista pra viagem toda. O cara tem um puta carrão e faz todos os passeios por preços menores que o resto do mercado que costuma enfiar a faca nos turistas.

Chegando ao hotel, o quarto não estava pronto e o rapaz nos indicou um lugar pra comer empanadas enquanto arrumavam o quarto. Péssimas, as empanadas. O lugar então, nem se fala. Até aqui, o centro de Mendoza onde andamos faz o de SP parecer limpíssimo.
Agora, voltando ao hotel, que coisa horrível. O quarto era uma das coisas mais pitorescas que eu já vi na vida. Eu acamparia na calçada da Avenida São João, mas lá eu não dormiria! Cancelamos a reserva com a decolar, não sem antes torrar uns dólares pelo skype, contar com a ajuda do meu pai que teve que ligar lá já que a ligação aqui caáa toda hora e também pagar uma taxa.
Enfim, agora estamos em um belo hotel, pouca coisa mais caro que a boca de lixo que havíamos reservado, e depois de um belo banho de banheira estamos aguardando o Damián que nos levará ao 1884, o melhor restaurante de Mendoza, que já figurou como sétimo melhor do mundo!

Mudanças

14/01/2013

O blog andou parado nos últimos tempos, muito por dúvidas minhas quanto ao conteúdo que deveria colocar por aqui. A partir de agora o blog se torna a cozinha do lucão e vocês poderão acompanhar aqui tudo que eu achar interessante, não só de cozinha mas também viagens, esportes (tennis principalmente, pois é o esporte que amo), novos restaurantes, passeios, etc.
Para dar início à essa nova fase irei postar tudo referente à viagem que eu e a Ci fizemos agora, pra Mendoza e Buenos Aires.

Espero que curtam essa nova fase do blog.

D´Olivino

12/05/2012

Tempos atrás jantamos no Dolivino. Estávamos querendo conhecer esse restaurante há um bom tempo mas a expectativa não foi atendida. Não que tenha sido uma refeição ruim, porém pelo preço praticado acho que o restaurante deveria cuidar um pouco mais nos pratos principais, que não agradaram muito.

O couvert e a entrada estavam ótimos, acima da média com destaque para o ótimo azeite e um bom mix de pães e 2 bons patês.
De entrada, nos serviram um excelente crostini de anchova negra, já incluso no preço do couvert. Foi o destaque da noite, muito saboroso.

Já os pratos principais foram difíceis de escolher devido à grande variedade do cardápio.
Curiosamente nós dois optamos por frutos do mar.

O gnocchi com lagosta da Cibele parecia uma ótima opção porém decepcionou. A massa parece ter absorvido muito azeite e ficou um pouco pesada e o toque de pimenta não apareceu. A lagosta estava ótima porém o gnocchi ficou quase intacto no prato.

Eu escolhi um Tagliatelle negro com frutos do mar.
Destaque para cocção correta dos frutos do mar. Já a massa estava cozida demais e mais uma vez houve excesso de azeite no prato.

Eu entendo que o azeite seja o protagonista do restaurante mas usado em excesso se torna o vilão dos pratos.

Um bom vinho português por 65 reais acompanhou nossa refeição.

Como havíamos feito a reserva pelo Diners Gourmet, tivemos 50% de desconto nos pratos principais e mesmo assim a conta ficou em 200 reais.
Com 200 reais por casal come-se melhor em muitos restaurantes em SP, sem precisar de 50% de desconto.
Devido ao custo benefício e pequenas falhas nos pratos principaism o D´Olino não me agradou.

“O Mercado”

23/04/2012

A semana girou em torno da expectativa para o evento “O Mercado”. A ideia é excelente o que justifica a enorme repercussão mesmo com a organização não tendo se preocupado com divulgação. Eles apenas criaram uma página no facebook, o que bastou para em pouco mais de 1 semana 2500 pessoas curtirem e compartilharem a página. Com isso vieram às matérias nos mais diversos meios de comunicação e pronto o evento virou o assunto da semana.

Checho e Fogaça, idealizadores do evento!

O que a maioria não sabia é que o espaço comportava pouco mais de 100 pessoas e os organizadores planejavam atender cerca de 500 pessoas durante a madrugada inteira.
Fui precavido, cheguei as 10:30 e acabamos sendo os primeiros da fila. Entramos por volta de meia noite e ficamos até as 2:30 quando a chuva apertou.

O que posso dizer? O evento estava ótimo.

Onde está o Lucão?

Teve falha na organização? Na minha opinião não, e não digo isso por que fui o primeiro a entrar. Não tem como colocar a culpa da fila enorme na organização do evento. Como era o primeiro evento e eles não sabiam com seria a aceitação eles optaram por realizar num espaço menor. Quando perceberam a repercussão enorme não havia mais tempo para mudar. E na última hora ainda houve matéria no Estadão dizendo que o evento seria cancelado por falta de alvará da prefeitura para eventos com mais de 500 pessoas. Nem isso fez com que a galera desistisse.

Lá dentro a organização esteve impecável, ambiente bacana, público bem variado. Os chefs super acessíveis e todos bem humorados e empenhados em fazer um ótimo evento.

É claro que numa próxima ocasião seria bacana que fosse realizado num local maior devido a grande demanda.  Com certeza os organizadores perceberam que a ideia é excelente e tem muito potencia l e vão melhorar ainda mais nos próximos eventos. Tomara mesmo que “O Mercado” tenha chegado pra ficar.

Em suma é isso, o evento foi um sucesso tanto de público como de organização. De todas as críticas que vi por aí, não achei nenhuma procedente. Ouvi dizer que houve até manifestação por parte dos que ficaram de fora. Vi também gente reclamando que tinham pessoas que entravam e não saíam.

Agora vamos ao que interessa ,os rangos da noite:

PARTICIPANTES:
-Alexandre Leggieri / Herbert Bierwagen – Cannoleria (cannolis)
-Carlos Ribeiro – Na Cozinha Restaurante (buraco quente)
-Checho Gonzales – Cebicheria Gonzales (anticuchos e cebiches)
-Daniela Bravin – Bravin (vinhos e coquetéis)
-Dagoberto Torres – Suri Ceviche Bar (arepas)
-Deepali Bavascar – sabores da índia (samosas vegetarianas)
-Henrique Fogaça – Sal Gastronomia (Sanduíche no pão ciabatta com copa lombo, bacon, queijo meia cura e vinagrete de maçã)
-Janaina Rueda – Bar da Dona Onça (arroz de puta rica)
-Lourdes Hernandez – Casa dos Cariris (tostadas, margaritas e micheladas)
-Marcos Carnero – Pão filosófico (pães)
-Pipa/Kerstin – Comida de Papel (burgueres)
-Rene Aduan Jr. – Alma Rústica Gastronomia (defumados e hidromel)
-Tibira – Caos (coquetéis)

-Tarantino Multi Beer – Cervejas importadas

Preços variando entre R$5,00 e R$20,00. Como ficamos por lá quase 3 horas conseguimos experimentar uma boa variedade. De início fui de taça de Malbec a R$10,00 e apesar de gostar muito dessa uva, o vinho escolhido não agradou tanto.

A Cibele optou pela ótima cerveja dinamarquesa Faxe Royal 500 ml a R$5,00 para acompanhar o arroz de puta rica (R$10,00) da simpática Chef Janaína Rueda (Bar da Dona Onça). A barraca da Dona Onça era a mais animada e seu prato era o mais procurado e comentado da festa.

Dona Onça!

Experimentamos também ótima cachaça oferecida pelo marido dela, o também Chef Jefferson Rueda.

Um casal que conhecemos na fila, Yuri e Sara, também optaram pelas cervejas da Tarantino Beer, gostaram muito e eu logo percebi que deveria deixar os vinhos e partir para as cervejas.

Ótima cervejas!

Enquanto terminava minha taça de vinho eu e a Cibele dividimos um escaveche de atum com vinagrete e creme de manga, do Chef Checho Gonzalez, vendido a R$14,00. Não gostamos muito em grande parte pela textura no atum cozido completamente, preferimos ele cru ou levemente selado.

Após isso fui atrás das cervejas e seguindo a dica do Yuri escolhi a excelente alemã Valentins Hefeweissbier Dunkel, 500 ml a R$5,00. Cerveja de trigo, levemente escura e com espuma bem densa, casou maravilhosamente bem com o sanduíche de copa lombo com vinagrete de maçã (R$10,00) do Henrique Fogaça. Esse sanduba teve repeteco por que estava excelente, na minha opinião o melhor do evento.

Fogaça montando seu ótimo sanduba!

Agora onde o Yuri e a Sara compraram aqueles costelinhas de porco apimentadas? Muuito gostosas, mas não dava pra comer mais do que uma, apimentadas demais. E dá-lhe cerveja para aguentar!

De quebra aproveitei para levar uma Faxe Royal em lata de 1l (R$10,00), e ganhei de brinde uma Faxe Royal Strong (escura).

Queríamos experimentar muito mais delícias, mas a chuva por volta das 2:30 da manhã cortou nosso barato. Fomos embora felizes da vida e surpresos pela fila continuar aumentando mesmo com a chuva que caía cada vez mais forte.

Passaram pela porta do evento pouco mais de 3000 pessoas e os organizadores se desdobraram e conseguiram atender cerca de 1000 pessoas durante a madrugada. Um trabalho e tanto para quem pretendia atender a metade disso.

Parabéns aos organizadores e que o sucesso continue nas próximas edições.

Novidades e “O Mercado”

13/04/2012

Bom depois de um tempo sem postar andei pensando em algumas mudanças aqui no blog.

A partir de agora teremos alguns vídeos, se possível um por semana, com alguma receita legal e fácil executada por mim. O primeiro vídeo já foi filmado, porém estou tentando aprender algumas coisas sobre edição de vídeos para poder finalizá-lo.

Outra novidade será a possiblidade de termos posts de convidados aqui no blog. Além dos colegas da faculdade tenho amigos que conhecem bastante sobre Gastronomia com os quais eu ando tendo bons papos sobre o assunto.

Um deles é meu amigo Kim Telloli, que também criou um blog que você pode acessar aí ao lado nos meus links recomendados.
Então sintam-se a vontade para me enviarem um texto que vocês tenham interesse em ver publicado aqui no blog.

O Mercado

Aproveito também para recomendar um evento bem bacana que irá acontecer na madrugada do dia 21 pro dia 22 de abril da 00:00 às 05:00. Trata-se de uma feira gastronômica onde vários Chefs renomados terão suas próprias barracas e servirão alguns pratos com preços que irão variar entre R$5,00 e R$20,00.
O site pra quem quiser conferir a programação é esse. O evento contará também com Djs para garantir um clima legal.
Será no pátio do Restaurante Sal Gastronomia do ótimo Chef  Henrique Fogaça, o endereço certinho vocês podem encontrar no link que passei acima.
Achei essa ideia bem bacana e o mais legal é que  já nasce com o intuito de ficar, inicialmente está programado para ocorrer uma vez por mês.

Espero que tenham gostado das novidades e que possamos nos encontrar no “Mercado”.

Segundo semestre da faculdade

21/03/2012

Bom, vou falar um pouco sobre esse início de segundo semestre na faculdade.
Devido à carga horária estendida que temos esse semestre estamos cursando apenas 3 disciplinas, são elas: Técnicas de Cozinha, Panificação e Confeitaria e Nutrição Básica.
Abaixo vou explicar um pouco melhor cada uma dessas disciplinas.

Técnicas de Cozinha

Assim como no semestre passado,parte teórica com a Chef Bianca de Mio e aulas práticas com o Chef Johnatan Lauriola. Estamos executando todos os Fundos, Bases, Jus, Molhos e Sopas da Cozinha Clássica e também as releituras de Alain Ducasse.

Panificação e Confeitaria

Aulas teóricas e práticas com o ótimo Chef Jöel Ruiz. Trata-se de uma iniciação básica em Panificação e Confeitaria. As aulas tem sido ótimas e ao mesmo tempo desafiadoras, pois é a primeira disciplina do curso a exigir um ritmo melhor de trabalho e o desenvolvimento de algumas habilidades técnicas.

Abaixo duas fotos de preparações que fizemos em aula.

Brioche!

Madeleines!

Nutrição Básica

Confesso que achei no início que essa matéria seria chata. Enganei-me completamente. As aulas com a professora Hevoise Papini são bem divertidas e é a disciplina que mais causa interação da turma durante as aulas. A partir de uma simples pergunta à professora iniciamos alguns debates muito legais.

Não posso deixar de citar que durante esse início de semestre nos deparamos com algumas deficiências na parte de infra-estrutura oferecida. Mas fico muito feliz de poder dizer que fomos prontamente ouvidos pela Coordenação do Curso e também pela Direção do Campus. Já foram resolvidos praticamente todos os problemas encontrados e tenho certeza de que os ainda pendentes serão resolvidos num momento oportuno.

Em breve postarei mais fotos das aulas pra vocês.

Mangiare, ótimas pizzas!

01/03/2012

Depois de muito tempo sem postar por problemas com o servidor do blog, estou de volta.

Com o desenvolvimento de alguns bairros que antes eram estritamente comerciais vem o surgimento de novos estabelecimentos para suprir uma nova demanda. É o caso da Vila Leopoldina e da Mangiare.
Fiquei sabendo do restaurante por um blog especializado, e me surpreendi pela critica positiva e também pela proposta do lugar.
Bom, já se foram 3 visitas, que obviamente não poderiam deixar de render um post.
De inicio o que surpreende é o tamanho do salão e o extremo bom gosto da decoração. O lugar foi muito bem idealizado, e o cardápio enxuto casa bem com a proposta da casa. Além de restaurante, funciona também como empório.

Logo de inicio o garçom marca no seu jogo de mesa as opções de entradas disponíveis. Elas variam, e valem a pena. A água é servida de graça e a vontade, ou como eles dizem no cardápio: “Água com preço justo é água de graça”.

Ótima entrada!

O cardápio oferece pizzas e também alguns pratos tipicamente italianos, com destaque para a Bisteca Fiorentina.
Nas 3 visitas optamos pelas pizzas que se destacam por recheios que fogem dos usuais. A massa é bem ao estilo italiana, muito saborosa e com textura diferenciada.

Na primeira visita não há como fugir da Carbonara já que não é sempre que vemos uma descrição de pizza tão tentadora.  Ovos de 7 minutos, pancetta, queijo fondente e raspas de limão. Ah uma coisa que reparei é que eles não se preocupam muito com o formato da pizza o que dá à elas um ar mais caseiro como vocês podem ver na foto abaixo.

Carbonara!

Diferente de qualquer pizza já provada. De início o que chama a atenção são os ovos de 7 minutos. Cozidos, porém com a gema ainda mole, são de um sabor incrível. A pancetta pode parecer gordurosa, mas a acidez das raspas de limão harmoniza perfeitamente com a gordura da pancetta. O ótimo queijo complementa e trata de unir todos esses sabores. A Carbonara é uma ótima sacada da Mangiare.

Ótima pizza!

Na segunda visita optamos pela Desiderio (palmito pupunha, pesto de salsa e alice, queijo mascarpone).
Não me agradou, muito pela rigidez das rodelas de pupunha. Algumas foram cortadas um pouco grossas e estavam muito duras, realmente difíceis de mastigar. O pesto estava muito bom e o queijo também apesar do mascarpone não ser um dos meus queijos preferidos para uma pizza.

Já na terceira visita escolhemos a Mangiare (pasta de alcachofras com ervas, parmesão e presunto parma).
Desde nossa primeira visita já estávamos querendo experimentar essa pizza.

E estávamos certos, simplesmente sensacional, com destaque para os inúmeros (sim, nem me lembro quantos eram) corações de alcachofra que não constam na descrição do cardápio. A pasta de alcachofra com ervas estava fantástica, muito saborosa e faz o papel de molho. O parmesão e o parma são ótimos coadjuvantes que ajudam a fazer desta uma das melhores pizzas que já provei.

Infelizmente só tiramos fotos da Carbonara, mas prometo que volto com mais votos da Mangiare numa próxima visita.

Vale a pena também pedir o Tiramissú. Você pode escolher a quantidade desejada e ele é realmente bom.

Ah, não me lembro exatamente dos preços mas lembro que todas os jantares com entrada, uma garrafa de vinho e 1 pizza não saíram por mais de R$120,00.

Endereço:
Mangiare Gastronomia
Av. Imperatriz Leopoldina, 681
São Paulo – SP

http://www.mangiaregastronomia.com.br