Pular para o conteúdo

Catena Zapata e Aconcágua – 04/01/13

14/01/2013

Ontem saímos em direção à Bodega Catena Zapata, a mais famosa da Argentina. Não foi fácil encontrá-la, enquanto todas as vinícolas tem placas com indicações pelas ruas e estradas, a Catena fica longe, no meio do nada e não tem nenhuma placa que leve à ela.

Chegamos um pouco atrasados e demoramos a entrar, pois o segurança não achava nossos nomes na lista de reservas. Mesmo assim, ainda esperamos um certo tempo depois que entramos. Haviam 2 grupos que estavam atrasados. Tudo na Catena parece exagerado, desde o formato em pirâmide até o ar de superioridade que eles demonstram.

Pirâmide da Catena Zapata!

Pirâmide da Catena Zapata!

Há vinhos de outras vinícolas com notas pontualmente mais altas nas avaliações de especialistas, porém a Catena possui uma regularidade em prêmios e notas altas que não é visto em nenhuma bodega por aqui. Isso se deve ao domínio das características da região. Explico: Mendoza esta a 940 metros de altitude e a maioria das bodegas plantam suas uvas à essa altura, no máximo um pouco mais alto. Já a Catena dominou os benefícios dos vinhedos de altitude, e tem plantado boa parte de suas uvas nos vinhedos de nome Nicasia (1300 metros) e Adryanna (1500 metros). Quase todos os seus vinhos premiados foram elaborados com uvas destes vinhedos.

Degustamos três rótulos da linha premium deles, a Angelica Zapata. Um Chardonnay, um Cabernet Sauvignon e um Malbec. Nenhum dos três se destacou, o que para nós foi uma decepção. Saímos sem comprar nada, pois eles praticam os mesmos preços das lojas especializadas.

Degustação!

Degustação!

Aconcágua

Saimos da Catena direto ao Aconcágua. Seria uma viagem e tanto e debaixo de um baita calor. A vista é linda desde o início quando passamos pela chamada pré cordilheira. Mesmo saindo de 940 metros de altitude e chegando a 2800, a subida é muito suave.
O primeiro ponto legal da viagem é a Represa de Potrerillos, para onde é levada e armazenada toda água proveniente de chuvas e também do degelo da Cordilheira.

Represa de Potrerillos!

Represa de Potrerillos!

A represa tem uma cor linda, completamente azul, parece até que estamos olhando o mar. Paramos para tirar algumas fotos e seguimos viagem.

Parece mar, mas é uma represa com água de degelo!

Parece mar, mas é uma represa com água de degelo!

Chegamos a Uspalata e paramos para almoçar. Comemos num restaurante de beira de estrada uma das melhores empanadas e a melhor carne da viagem até aqui. Meu bife de chorizo estava sensacional, super macio.

Seguindo viagem passamos por Los Penitentes, uma das maiores estações de ski da Argentina, que obviamente esta desativada por estarmos em pleno verão.

Los Penitentes!

Los Penitentes!

O bacana é que você pode pegar o teleférico deles e subir para tirar fotos. É muito alto e pegamos muito vento, mas valeu a pena pela vista linda que tínhamos lá de cima.

Depois de subir de teleférico...

Depois de subir de teleférico…

Não podia faltar uma foto com o nosso amigo Damián.

Nós e o Damián!

Nós e o Damián!

Inicialmente nossa ponto final seria a Puente del Inca, mas o Damián sugeriu que fôssemos ate a fronteira com o Chile para tirar algumas fotos. Na volta tivemos um probleminha, porque havíamos cruzado a fronteira por alguns metros. Por pouco não tivemos que passar pela Aduana, rs!

Fronteira!

Fronteira!

Tudo resolvido, passamos pela Puente del Inca. Achei o lugar incrível, tiramos algumas fotos, a Cibele comprou uma pulseira na feirinha de artesanato e o Damián nos comprou alfajores de presente.

Puente del Inca!

Puente del Inca!

Por fim passamos pelo Parque Nacional do Aconcágua, subimos ao mirante, tiramos fotos, passamos frio e voltamos.

Aconcágua!

Aconcágua!

Olha lá o Aconcágua...

Olha lá o Aconcágua…

Chegando em Mendoza ainda tivemos pique para uma longa caminhada pela cidade e um excelente jantar em outro restaurante do Francis Malman, o Maria Antonieta. O restaurante tem uma pegada totalmente diferente do 1884, a cozinha é aberta, a equipe toda é jovem e descolada e o ambiente também. E comemos tão bem quanto no 1884, por um preço mais baixo.

Ótima entrada!

Ótima entrada!

Pedi um Maltagliato com centolla (king crab, carangueijo gigante) que estava sensacional além do que vem dentro de uma panela, ou seja, muuuuita comida.

Tagliatelle com centolla!

Tagliatelle com centolla!

A Ci comeu um gnocchi com camarões que também estava incrível. Nunca comi um Gnocchi tão bom, era sedoso e puxado em manteiga aromatizada com ervas. Parecia uma batata Sauté, só que melhor!

Gnocchi com lagostinos!

Gnocchi com lagostinos!

Acompanhamos os pratos com um bom vinho rosé afinal faziam incríveis 30 graus às 22:00.

Tomero Malbec Rosé!

Tomero Malbec Rosé!

Agora estamos a caminho de Buenos Aires…

3 Comentários leave one →
  1. Milena Kabbara permalink
    12/05/2013 01:46

    Olá,

    Estou indo para Mendoza, passar praticamente 2 dias (coisa de louco), e quero aproveitar o máximo possível. O seu blog é maravilhoso consegui tirar várias informações de lugares e restaurantes, porém em relação a esta viagem ate o Aconcagua não consegui entender, no mesmo dia vcs visitaram Catena Zapata e depois foram até o parque do Aconcagua tranquilamente? A que horas vcs conseguiram marcar a visita em Catena Zapata? Durou quanto tempo? E depois quanto tempo até o paque do Aconcagua. Se vc conseguir responder minhas perguntas será ótimo. Desde já obrigada!

    • 13/05/2013 11:31

      Olá Milena, bom dia! Humm, 2 dias de fato é pouco, mas vale a pena. Primeiramente uma pergunta, qual o interesse principal? Vinhos ou turismo? Sim, no mesmo dia fomos à Catena e depois ao Aconcágua. Marcamos a visita na Catena às 09:00, depois da visita houve uma degustação de 3 rótulos e saímos de lá às 10:15, foi coisa rápida pois a visita lá é bem simples, talvez a mais simples das 8 que fizemos. De lá até o Parque são cerca de 3 hora, de carro de passeio. Almoçamos num ótimo restaurante a beira da estrada em Uzpalata. Na ida passamos o Parque e seguimos até a fronteira com o Chile, tiramos fotos e fomos voltando e parando nos locais turísticos para fotos: Puente del Inca, Parque do Aconcágua, Represa de Potrerillos, etc. Chegamos em Mendoza por volta das 19:00, ou seja, é um passeio que dá tranquilamente pra ser feito em 1 dia. Só recomendo que vá de motorista, como fizemos, pois seria cansativo se tivesse que dirigir, contando com a visita a Catena rodamos aproximadamente 700 km no dia. Espero ter ajudado e qualquer dúvida me responda.

      • Milena Fonseca Kabbara permalink
        13/05/2013 11:47

        Poxa, muito obrigada. Ajudou bastante mesmo. Estamos dirigindo por conta mesmo, não tem problema adoramos nos aventurar…vamos tentar visitar umas 3 Bodegas, conhecer a cidade e ir ao Aconcágua…por isso estamos tentando nos organizar bem pra dar tempo certinho…adorei também as dicas de restaurantes!!!….obrigada novamente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: